Um atlas em construção

O ‘Atlas ageográfico de lugares imaginados’ está andando até bem, mesmo com as traduções e o trabalho oficial pegando fogo.

Porém, esse final de semana que passou, uma dúvida me bateu: será que não era melhor ler um pouco, ter mais referências para construir esse universo?

Boa parte do que estou fazendo no ‘Atlas…’ vem de leituras antigas, reminiscências e memórias. Extratos de lendas e de bestiários que li em algum momento da minha vida fazem aparições esporádicas. Claro que Biblos, a cidade-biblioteca, tem uma referência bem clara, que é a Biblioteca de Babel borgiana.

Um dos livros que tenho usado como ponto de apoio desde que tive essa ideia meio estranha de uma construção ageográfica – ou mesmo antes, se pensarmos a escrita de ‘O longo caminho de volta’ como ponto de partida – foi o Dicionário de lugares imaginários de Alberto Manguel, que saiu em uma bela edição da Companhia das Letras. Meu uso desse livro foi pouco… acadêmico. Não o abri procurando uma referência definida, usando o índice. Pegava o livro sem me preocupar, vendo páginas aleatórias. No momento em que algum verbete me chamava a atenção, lia com cuidado, fazendo anotações e depois buscando – na internet ou em algum dos 6874646747 livros que tenho em casa – saber mais, referências cruzadas. Quem pesquisa na internet sabe que de uma pesquisa simples podem vir os resultados mais surpreendentes. Isso aconteceu com alguma frequência nesse caso, felizmente.

O que me fez pensar na necessidade de ler mais e ter mais referências foi ter visto um livro do Umberto Eco. Com o título de História das terras e lugares lendários, a obra segue o mesmo conceito de livro-arte informativo do História da beleza, por exemplo – e apesar de uma edição caprichada, uma leitura por alto me mostrou ser um livro menos aprofundado do que o do Manguel. Será que nessa altura do campeonato, com o livro já traçado, valeria a pena comprar um livro – caro – para acrescentar algo mais?

E se for esse o caso, não seria melhor escolher o Lugares de ningun lugar, de Daniel Tangir, que foi super recomendado pela Nikelen Witter? Em que momento a gente para de pesquisar para só escrever?

Anúncios

Sobre anacristinarodrigues
Eu trabalho numa biblioteca. Estudo História. Escrevo. Leio. Traduzo. Uma traça que fala, basicamente.

2 Responses to Um atlas em construção

  1. Olha, uma coisa que aprendi é que a pesquisa tende a nos absorver e afogar. Mas temos que romper com ela em algum momento e só passar a usá-la como referência imediata depois que começou. Ficção não é jornalismo. Acho que se você reiniciar a busca por fontes, isso só vai te atrapalhar.

  2. Alexandre Lancaster está certo, querida, esqueça o que já foi escrito antes, suba ao seu lindo tapete voador e voe ao Subconsciente Coletivo, onde Arquetypia, o fabuloso país dos arquetipos, contém, desde sempre, todos os mundos imaginados e por imaginar por todos os imaginantes. Espero que nos deleite depois com uma boa bitácora da sua aventura criativa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: