As músicas de Finisterra

Hoje seria uma daquelas noites de sexta-feira preguiçosas, sem filho, marido ou compromissos além de alimentar os bichos. Perfeita para fechar algumas obrigações.

Mas a comunidade resolveu dar uma grande festa na rua, regada a funk de letras bastante pedagogicas: abaixa lá, enfia aqui, chupa assim e o verbo cozinhar flexionado de forma inadequada. Em altos brados.

Leão tenta o suicidio. Maradona está me olhando com cara de WTF. Pela cara de ‘om’, Fiduma deve ter tomado algum analgesico. Assim, os únicos sóbrios nessa casa somos eu e Dourado. Os periquitos estão dançando e as tartarugas… bem, o jabuti é um depravado e está aproveitando o funk…

Para fugir do barulho, comecei a catar músicas no Youtube e lembrei das que escutei para me inspirar para escrever as ‘Crônicas do Grande Continente’. Como hoje a coisa não está rendendo MESMO, resolvi vir aqui partilhar com vocês e aproveitar para contar um pouco de como foi escrever Imago Mundi.

Quando eu converso sobre isso, a maioria das pessoas acha que eu escuto música clássica e erudita, bem calma. Não é bem assim.

As duas principais influências sonoras, que me acompanham o tempo todo na concepção de mundo, são duas músicas bem mais pesadas.

Primeiro, veio o Mago de Öz e seu ‘Finisterra’:

O Mago de Öz é uma banda espanhola. Se pode dizer que são uma banda de metal, mas com fortes influências de música tradicional ibérica – além de terem uma veia neopagã bem forte.

O clima épico da música – apesar da letra ter pouco a ver – me inspirou muito. A mudança de ritmo, com passagens de coral seguidas pelo vocal rasgado, representa bem a montanha russa que é a vida no Grande Continente.

E logo depois, veio o Moonspell:

Alive, in the end of the Earth! Essa é a música do primeiro embate com o Finisterra.

Sou fã do Moonspell, completamente apaixonada pelo trabalho deles mesmo. Primeiro, pelo som que consegue ser pesado e moderno – eles não tem medo de usar efeitos eletrônicos em algumas músicas como Magdalene e Butterfly FX. Em segundo, pelas referências, que além das musicais, incluem Fernando Pessoa e Lovecraft – do primeiro, usaram um poema em Opium e Fernando Ribeiro, que é poeta, participou da antologia ‘Sombra sobre Lisboa’. Em terceiro, a forte ligação que eles tem com um passado lusitano, expresso em músicas como Alma Mater, Ataegine e Trebaruna (essas duas são deusas do panteão lusitano).

E pra finalizar, porque eu acho o Fernando uma coisa!

Sim, ele tem cara de mau. Mas foi como eu disse no Twitter, minha vida seria diferente se o Harisson Ford tivesse sido o Luke Skywalker e o Mark Hammil o Han Solo. Eu não gostaria de homens maus.

Tem outras coisas, claro.

Para não dizerem que eu fiquei só escutando músicos da Península Ibérica, eu escutei incessantemente 3 cd’s do conjunto de Música Antiga da UFF: Música no tempo das caravelas, O canto da Sibila e Cantigas de amor e louvor. O trabalho deles é fascinante, indo do estudo da música medieval, passando pela reconstrução de seus instrumentos e chegando a buscar correlações com o mundo de hoje.

A música ( Pois que dos Reys) é uma das Cantigas de Santa Maria, uma coleção de cantares e louvores em galaico-português compilados pelo rei Afonso X, o Sábio. E vocês achando que Blind Guardian era música medieval? Sim, é tanto quanto ‘Wheel of time’ ou ‘Senhor dos Anéis’ é Fantasia Medieval.

(Querendo ver mais músicas deles, vejam este canal no Youtube. Os cd’s você compra entrando em contato com eles no site. Sobre as cantigas, o melhor lugar é o centro de estudos de Oxford)

Algumas histórias dentro do conjunto maior das ‘Crônicas’, fora do grupo composto Imago Mundi/Finisterra tem a presença de druidas. E mesmo que assim não fosse, a música folk de influência celta é muito forte como referência.

Os brasileiros do Tuatha de Danann tem várias músicas bem interessantes, mas a que eu mais gosto é Tir Nan Og, que fala da terra da juventude eterna:

Essa música me inspirou muito na cena em que Pero Vaz de Caminha conhece o dragonete Imagus, amigo da Arquimaga Mairiam. Vai me dizer que não dá vontade de dançar ou de sair voando por aí?

Do que já tenho escrito – Imago Mundi completo e aproximadamente um terço de Finisterra, chorei escrevendo uma única cena. Não vou dar spoilers dos meus livros, mas fiquei bem triste. No shuffle do Media Player, tocava Blind Faith:

Nunca mais consegui escutar a música sem ficar um pouco para baixo.

Para finalizar, tem a música que fecha Finisterra  – sim, o final já está escrito. Não pela sua letra – está em gaelico, língua que eu não domino – mas pelo clima:

O Capercaillie é uma banda escocesa que usa música tradicional com bases moderna. Adoro essa música.🙂

Bom, acho que deu pra falar um pouquinho dos livros e das músicas. E enquanto escrevia, escutei todas no fone de ouvido, eliminando a interferência nefasta do funk alheio. Agora que acabei aqui, vou ali no meu email apoquentar um amigo.🙂

Sobre talkativebookworm
Eu trabalho numa biblioteca. Estudo História. Escrevo. Leio. Traduzo. Uma traça que fala, basicamente.

One Response to As músicas de Finisterra

  1. azhiel disse:

    Obas. Uau, que aula cultural. O post foi grande, mas incrível. Foi dificil parar de ler. Agora vou para os outros (rs). Parabéns.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: