Finisterra, o cabo do fim do mundo…

É impressionante como desde sexta-feira tem chovido comentários, aqui, no msn, no twitter e no email perguntando sobre o meu grande projeto inacabado, Finisterra.

Vou satisfazer a curiosidade de vocês, fiquem felizes!

Antes de mais nada, nesses quatro anos, o projeto se alterou. O primeiro capitulo estava com cerca de dez mil palavras quando começou a circular por alguns beta readers.  O interesse pelo cenário ficou patente nos comentários que recebi, mas pude ver que a história em si ainda tinha problemas. Eu não estava contente com ela.

Então fui avançado muito pouco e muito devagar, mal e mal chegando no capítulo 3.

Aí veio a Worldcon.

Num arroubo de coragem típico dos loucos e insensatos, passei uma semana vertendo oito mil palavras do primeiro capítulo e me inscrevi numa oficina para escritores. As tutoras foram Delia Sherman e Elaine Isaak. Não conhecia o trabalho da Elaine Isaak, mas conhecia o da Delia Sherman – e deu medo, porque ela é uma Escritora, daquelas que consideram Literatura como Arte.

Foi a melhor coisa que fiz em relação ao livro. E um excelente investimento.

O sistema dessa oficina deveria ser mais utilizado no Brasil, aproveitando os encontros que começam a florescer – como a Fantasticon, que é equivalente em escala menor da convenção mundial. O esquema é até simples. O autor paga uma taxa para se inscrever e envia o trecho – de até dez mil palavras – por email dentro de um determinado prazo (que se encerra uns dois meses antes da convenção). Os organizadores então encaixam os autores em grupos de 3 ou 4 que serão coordenados por dois escritores. Eles procuram afinidades temáticas, muitas vezes até sutis. No grupo que participei, todos eram de Fantasia, e dos 3, dois eram de Fantasia Histórica, outro de Alta Fantasia. Todos leem todos os textos para dar opinião. É muito bacana.

Mas no caso, o estalo que veio foi um comentário da Delia Sherman. Ela leu o mesmo trecho que meus beta-readers leram. E encontrou um ponto: eu estava querendo contar duas histórias, a viagem de Pero e Rui pelo Grande Continente e a de Finisterra propriamente dita.

Sabe aquela hora que você bate na testa e grita ‘Sim, é isso!’? Foi exatamente o que aconteceu.

Quando voltei, comecei a tarefa de reescrever e reestruturar Finisterra, que virou dois livros.

O primeiro está pronto, com 83.564 palavras e está com o título provisório de Imago Mundi – ou seja, ‘A imagem do mundo’. Em resumo, posso dizer que narra a viagem de Rui de Pina e seu aprendiz Pero Vaz de Caminha pelo Grande Continente, em missão para o Imperador da Ibéria Lusitânia. E começa com uma cena de tourada… Ou melhor, minotaurada.

Agora, antes de me lançar a Imago Dei, o título provisório da segunda parte, estou reescrevendo esse primeiro livro, que está engordando a olhos vistos. É um processo que eu não tenho pressa para acabar.

Pronto, agora vocês já sabem. 🙂

Anúncios

Sobre anacristinarodrigues
Eu trabalho numa biblioteca. Estudo História. Escrevo. Leio. Traduzo. Uma traça que fala, basicamente.

21 Responses to Finisterra, o cabo do fim do mundo…

  1. Lucas Rocha says:

    Agora já sei e estou ainda mais curioso pra saber como será 😛

  2. Engraçado, o comentário feito – a segunda história que vc queria contar – eu quase levei para outro lado, o do erro do Tolkien no primeiro livro: a substituição da história pelo world-building, dificuldade confessa em carta, enquanto ele não se decidia por onde começar a história.

    Maaaas… continue escrevendo. 🙂

    • talkativebookworm says:

      Felipe, o que ela quis dizer foi que eu queria contar duas histórias, e uma teria Finisterra em si como personagem. Não a questão do excesso de ‘world building’ – que eu cortei bastante na versão que levei pra lá, mas fez falta. Os gringos não tem as referências das Grandes Navegações que nós temos. Aliás, eles não conhecem sequer o termo!

  3. Hugo Vera says:

    Ai,sim, hein?
    Agora vai…
    Continuo no aguardo do grande lançamento!

  4. O que posso dizer? Senta a pua, Ana Cris, que aqui aguardamos cada vez mais curiosos. =3

  5. Heitor says:

    Confesso que fiquei na seca de uma oficina assim por aqui 😛 muito legal isso. Quanto a sua história, fico aqui no aguardo, afinal já tem coisa pronta *0*

  6. Ivo Heinz says:

    Oba, estou mais curioso.

    Tem um restaurante, no Centro, que se chama Finisterra.

    Avise quando estiver em Sampa, a conta será minha, OK ???

    Beijos dp Tio Ivo

    • talkativebookworm says:

      O restaurante deve ser de comida galega, já que o cabo de Finisterra mais famoso fica na Galicia. Mas vou cobrar essa promessa!:D

      Beijos!

  7. Douglas MCT says:

    O trecho do dragonete filhote de Saphira e da cópula com sereias vai constar em quais dos livros?

    São as partes mais legais que me recordo da primeira versão.
    Abs

  8. Douglas MCT says:

    Eu realmente gosto daquele dragonete.
    Não o mate >.<

  9. Muito bem, Ana! Toda história, para ser bem escrita, tem seu tempo certo de cozer e apurar. É que nem trabalho de alquimista… passamos por todas as fases, nigredo, albedo e rubedo, antes de chegar à Grande Obra. Não tenho dúvidas de que você chegará!

    Beijos da sua companheira de reescritas (e xará),

    Ana

  10. Arnobio says:

    Hummm!

    Que ótima notícia, Ana. Essa é a história que está guardada na minha mente há muito tempo.
    Estou aguardando mais notícias sobre.

    Obrigado pela notícia.

  11. Faysal says:

    Adorei todo o argumento do livro, Ana. Espero que tudo dê certo com o projeto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: